Pular para o conteúdo principal

#Diferença de Angústia e Ansiedade.

Hoje vivemos num mundo de incertezas, e o nosso País está imerso numa crise política e econômica que preocupa a sociedade brasileira, trazendo mal-estar para todos nós. Esse cenário agitado colabora para aumentar a ansiedade (clima de apreensão exagerada em relação ao futuro) e a angústia (aflição relacionada ao presente).

Angústia e ansiedade não estão desconectadas da vida social, pois são sensações momentâneas que têm diferenças e fazem parte do cotidiano do ser humano, atingindo ricos e pobres, jovens, idosos e crianças. Não temos como prever os acontecimentos que geram medo, mas podemos controlar e entender as nossas emoções.

O medo é inerente à condição humana, pois temos medo do futuro, medo de perder e de fracassar. Mas quando o medo se transforma em angústia, tem sua origem nos traumas físicos e psíquicos, no meio ambiente social e familiar repressor que podem desencadear sensações de opressão permanente.

A angústia torna-se patológica se com ela estiverem outros sintomas, como: falta de concentração, tristeza constante, inquietação, pensamentos negativos ou se estiver sendo um fator causador de sofrimento psíquico e físico, despontando uma sensação de aperto no peito e dificuldade de respiração.

Todos nós estamos sujeitos a experimentar a angústia existencial, visto que foi Freud quem prestou muita atenção nestes sintomas, chegando a propor a categoria nosológica de neurose de angústia, como sinalizador patológico que se direciona para um quadro de depressão.

Já a ansiedade é o medo do futuro, um recurso que usamos para nos prepararmos para acontecimentos vindouros. A psicanálise nos ensina a não temer a ansiedade, porque ela é um estado psíquico de expectativa frente a algo que ocorrerá, seja bom ou ruim, e funciona como sinal de alerta. Porém, torna-se patológica quando traz prejuízos expressivos à vida do indivíduo.

A pessoa ansiosa se preocupa por coisas que ainda não aconteceram. E quando a ansiedade chega, bate aquela vontade incontrolável de atacar a geladeira e comer alimentos calóricos. Neste momento, perde-se todo o esforço e a determinação de cumprir a dieta.

Quais os medicamentos para a angústia e ansiedade? São muitos os fármacos que apagam os sintomas, mas não mudam o sujeito. O remédio para a angústia é o desejo. E para ter desejo, é necessário que o sujeito suporte a falta que em psicanálise chamamos de castração simbólica. Por isso, é essencial o tratamento psicoterapêutico, em que o paciente reflita e traduza seus pensamentos, criando condições para contornar sentimentos que avalia insuportáveis

Ler mais: http://www.psicologiasdobrasil.com.br/as-diferencas-de-angustia-e-ansiedade/#ixzz45Dn1KDCz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO SOBREVIVER A PERDA DE UM AMOR...

Como sobreviver à perda de um amor, seja a morte de uma pessoa querida,
o fim de um relacionamento, a perda da juventude, da saúde, de um emprego, de um ideal.
Ao enfrentar uma perda, o corpo sofre o mesmo processo que um ferimento físico.
Precisamos aceitar esse processo, confiar nele e ter certeza de que a dor vai passar e,
quando passar, nós seremos mais fortes, felizes, sensíveis e conscientes.
Tudo tem seu tempo:
E há tempo para tudo sob o céu.
Há tempo de nascer e tempo de morrer.
Há tempo de plantar e tempo de colher o que se plantou.
Há tempo de matar e tempo de curar.
Há tempo de destruir e tempo de construir.
Há tempo de chorar e tempo de rir.
Há tempo de lastimar e tempo de dançar.
Há tempo de espalhar pedras e tempo de juntá-las.
Há tempo de dar abraços e tempo de conter-se.
Há tempo de adquirir e tempo de perder.
Há tempo de guardar e tempo de lançar fora.
Há tempo de rasgar e tempo de costurar.
Há tempo de calar e tempo de falar.
Há tempo de amar e tempo de odiar.
Há tempo de guerra e tem…

Depressão

Ninguém dá bola para a depressãoPOR GABRIEL ALVESNo post de hoje do Cadê a Cura? trago um texto de uma amiga, Tati Oshiro, que relata suas experiências e impressões sobre a depressão.  Certamente não são poucos os nossos amigos e familiares que sofrem calados com a doença. O relato da Tati, com uma linguagem forte e natural,  pode ajudar quem nunca teve um contato tão próximo com a doença a entender um pouquinho desse mundo do ponto de vista de quem mais sofre –o doente.Trintei na depressão, por Tati Oshiro*Fui diagnosticada na época em que meus amigos estavam dando grandes passos em suas vidas e seguindo em frente. De certa forma, eu sei que fiquei pra trás. Às vezes eu me sinto meio esquecida, sabe? Na verdade, às vezes, eu mesma me esqueço.Assim que eu fui diagnosticada, muitos dos meus amigos estavam comprando apartamentos, noivando, casando. Enquanto eu era hospitalizada (as primeiras vezes),eles estavam tendo seus primeiros filhos. Carreiras iam em frente, mais bebês nasciam e e…

Depre...

Ter depressão não é bonito. Dormir mais de 12 horas por dia não é bonito. Não ter vontade de levantar não é bacana. Chorar muito e sem motivo não é drama. Não ter capacidade de fazer aquilo que você mais gosta não é legal. Se sentir incapaz e não se reconhecer é terrível. Ter maus pensamentos e perder a vontade de viver é doloroso. Sentir a vida passar enquanto a sua ta parada é cruel. Viver trancado dentro de si é viver em meio a sombras. Cansar de viver e passar apenas a existir.
Se você conhece alguém ou já teve depressão copie e cole no seu mural para as pessoas entenderem que depressão é coisa séria e não mera frescura.
Isso é muito sério!